GERAL

Nova moradora, Ramba interage com outras elefantas do Santuário em Chapada dos Guimarães
GERAL04/11/2019 10h22 Fonte: G1






Nova moradora do Santuário de Elefantes, em Chapada dos Guimarães, a 65 km de Cuiabá, Ramba tem surpreendido os cuidadores com a rápida adaptação que teve com o local. Ela já interage bem com Rana e Maia, elefantas que também foram acolhidas pelo Santuário.

Ramba foi resgatada de um circo no Chile, onde sofria maus-tratos. Ela chegou no Santuário no dia 18 deste mês depois de viajar 3.600 km. Ela era a última elefanta de circo do Chile.

A instituição informou que a elefanta tem um histórico de isolamento e não era amigável. No entanto, ela tem permitido a aproximação dos outros animais, principalmente de Rana, que a acolheu desde o 1° dia no local.

De acordo com o Santuário, as duas brincam com as trombas e fazem sons como se estivessem 'conversando'. Elas também já caminham juntas por várias vezes, mas sempre supervisionadas.

Segundo os cuidadores, Ramba já se alimenta normalmente. As refeições dela variam entre suplementos, cana, melancia, maçã, folhas de Palmeiras, entre outros.

A adaptação rápida da Ramba tem sido motivo de comemoração para a equipe do Santuário. Com isso, as etapas do processo de adaptação estão sendo aceleradas.

A elefanta está sendo acompanhada por uma equipe de veterinários e o desafio agora, segundo a instituição, é adaptá-la à rotina do local.

O presidente do Santuário, Scott Blais, afirmou que, durante 32 anos de trabalho com elefantes, a chegada da Ramba foi a experiência mais incrível que ele teve.

A HISTÓRIA DE RAMBA

Ramba tem cerca de 56 anos e pesa seis toneladas. Ela passou 40 anos servindo a circos do Chile e sendo forçada a obedecer e participar de 'espetáculos'.

No circo, ela chegou a ser alimentada com ração de cachorro.

Este é o primeiro caso de resgate internacional de elefante de cativeiro mediante denúncia de maus-tratos que o Brasil recebe.

O santuário em Chapada dos Guimarães é o único da América latina. No mundo todo são seis santuários.




COMENTÁRIOS




VEJA TAMBÉM